Estudo Pessoal sobre o Sábado - Ex-Pastor Adventista Greg Taylor


Estudo Pessoal sobre o Sábado por Greg Taylor (Ex-Pastor Adventista). Para ler seu Testemunho clique aqui.

A NOSSA JORNADA BÍBLICA

Para começar, Paula e eu [Greg] separamos matérias relacionadas com nosso estudo. Nós tínhamos as edições originais que eram de nosso interesse. Portanto, nós tentamos fazer nosso próprio estudo e não nos influenciarmos por conclusões de outros. Eu levarei você ao caminho que percorri.

O NOVO TESTAMENTO INTERPRETA O VELHO

Primeiramente, eu decidi que toda a Bíblia é palavra de Deus e é inspirada por Ele. Depois, eu tentei aplicar o princípio do estudo da Bíblia que deixa o Novo Testamento interpretar o Velho e não outra maneira qualquer.

Ambos são inspirados, mas há necessidade de dar maior ênfase no Novo Testamento e aqui está o por quê. A palavra Novo Testamento ou Concerto significa a mesma coisa como um testamento ou algum outro contrato legal. Minha esposa e eu fizemos diversos testamentos durante nosso casamento. Nós fizemos um testamento antes de ter filhos. Nós fizemos um testamento depois do nascimento de nosso primeiro filho. Nós fizemos outro após a segunda criança e recentemente nós atualizamos nosso testamento outra vez. Agora, se nós morrermos em alguma tragédia, qual testamento seria obrigatório para nosso executor seguir? O mais recente ou o mais novo naturalmente. A mesma coisa é verdade com o Novo e Velho Testamentos.

Há ensinos importantes no Velho Testamento, há muitas histórias e informações que nos ajudam a compreender a Deus melhor. Mas ir primeiramente ao Velho Testamento para aplicar a vontade de Deus em nossas vidas, seria considerar coisas já inativas.

O Novo Testamento foi escrito para dar-nos uma revelação mais completa das obras de Deus na história humana. Ele nos dá a mais completa revelação de tudo, Jesus Cristo. Desde que devemos aplicar a mensagem de Jesus a nossas vidas pessoais como cristãos, as epístolas são dadas especificamente para essa finalidade.

Jesus veio para cumprir muito do sistema do judaísmo, por exemplo. Ele veio cumprir alguns dos aspectos do Velho Concerto ou Testamento. Como nós sabemos quais foram eles? Os evangelhos não soletram quais foram. As epístolas fazem isso. Assim, eu fui primeiramente ao Novo Testamento (Concerto) e especificamente às epístolas para ver o que é ensinado lá sobre a aplicação do sábado aos cristãos de hoje. Depois, eu fui à vida de Jesus para ver se Ele abriu espaço para tal interpretação de Sua vida e ministério. Finalmente, voltei ao Velho Testamento para ver se o que está escrito lá concorda com o assunto das epístolas e Jesus.

O SÁBADO NO NOVO TESTAMENTO

COLOSSENSES 2:16-17

O primeiro texto que eu estudei está no capítulo dois de Colossenses. Eu estou usando a nova versão King James da Bíblia e todas as ênfases são minhas. No livro de Colossenses, Paulo está dirigindo-se a uma heresia sincretística que era uma mistura da adoração de anjos e práticas ascéticas. Mas misturado nisso tudo estava o elemento judaizante (os judeus legalistas que empurravam a lei judaica) que estava tentando influenciar estes cristãos novos.

Em Colossenses 2, o foco está na parte judaica da heresia. Começando com verso 11, Paulo se concentra no fato que a circuncisão foi substituída pelo batismo, desse modo a circuncisão não é mais requerida. Então ele indica que a certidão de nossos pecados é pregada na cruz, assim que nós aceitamos Jesus. Finalmente, Paulo discute os últimos dois diferenciadores judaicos. Note os versos 16 e 17:

"Ninguém, pois, vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa de dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados, que são sombras das coisas vindouras; mas o corpo é de Cristo”.

Paulo está dizendo que os Colossenses não devem deixar estes judaizantes colocarem culpa neles sobre as leis de alimento, festas, luas novas ou os sábados, porque estas eram parte do sistema que prefigurava ou apontava adiante para Cristo. Toda minha vida na igreja eu fui ensinado que sábados aqui se referiam aos sábados cerimoniais das festas judaicas, não ao sábado semanal.

Mas o que me espantou foi descobrir que este definitivamente NÃO é o caso. Em todo o Velho Testamento esta construção literária é usada. Paulo simplesmente está reiterando uma fórmula que era usada repetidamente para referir-se a todo o velho sistema, incluindo o sábado semanal. Esta mesma construção literária é encontrada em ordem ascendente ou descendente repetidamente. Não pode haver dúvida no que ele queria dizer. Os "sábados" nesta construção literária comum do Velho Testamento sempre se referem ao sábado semanal. Tentar fazer esta passagem de Colossenses referir-se aos festivais cerimoniais sabáticos, é ignorar esta construção.

Primeiramente, o capítulo 23 do livro de Leviticos enumera todas as festas religiosas. No topo da lista está o sábado semanal. Então, as outras festas são listadas. Agora olhe I Crônicas 23:31: "e oferecerem continuamente perante o Senhor todos os holocaustos, nos sábados, nas luas novas e nas festas fixas, segundo o número ordenado...." eles estavam tratando das obrigações dos sacerdotes e do tabernáculo. Claramente isto se refere às festas semanais, mensais e periódicos. II Cro. 2:4 diz essencialmente a mesma coisa (veja também Neemias 10:33, Oséias 2:11 e Ezequiel 45:17)

Em todo o Velho Testamento a mesma construção é usada. Os sábados semanais, mensais, periódicos e às vezes anuais são incluídos. A ordem é invertida às vezes, mas o mesmo princípio se aplica. "Sábados" relatados em Col. 2:16-17 está se referindo claramente aos sábados semanais. Seria redundante e totalmente fora da característica literária, referir-se às festas fixas. Isso seria ler: 

"Não deixe ninguém julgar você a respeito dos dias de festas, das luas novas ou dos dias de festas". 

Isso não faria sentido. Mesmo Samuele Bacchiocchi (autor sabatista) admite isso. Ele concorda que é o sábado semanal que está sendo referido aqui,[1] embora ele diz que não é propriamente a guarda do sábado que está sendo discutida aqui, mas a perversão da guarda desse.[2]

O claro problema bíblico com a teoria de Bacchiocchi é que o texto continua descrevendo estes sábados e festas como "sombras das coisas vindouras", mas a "realidade é Cristo." Essas festas religiosas, incluindo o sábado, eram símbolos que apontavam adiante para Jesus. Eram prefigurações tipologicas de Jesus. Como poderia a perversão de um símbolo ser uma sombra ou uma prefiguração de Cristo? A tradução mais razoável do texto é que o sábado semanal está incluído no sistema cerimonial/sacrificial que FOI CUMPRIDO EM CRISTO! Nenhuma outra explicação faz sentido para mim. Nenhuma outra interpretação faz juz ao contexto ou à construção literária do Velho Testamento.

Na primeira vez que eu li isso da maneira que Paulo claramente pretendeu fazer, eu não podia acreditar no que eu estava lendo! Paulo estava fazendo uma afirmação de transição radical aqui! O sábado cumprido em Cristo? Podia ser verdade? Muitas questões estalaram em minha mente. E os Dez Mandamentos, não são eternos? E o sábado instituído na criação? Eu tinha muitas perguntas. Eu tinha que pesquisar para esclarecer tudo isso.

GÁLATAS 4:10

A próxima parada era o livro de Gálatas, onde Paulo faz referência ao sábado em sua repreensão a heresias judaizadas que ameaçavam a igreja dos Gálatas. Aqui Paulo explica a finalidade da lei para estes crentes gentios. Para pegar o sentido do argumento que ele está usando, nós devemos começar atrás em Gal. 3:16.

"Ora, a Abraão e a seu descendente foram feitas as promessas; não diz: E a seus descendentes, como falando de muitos, mas como de um só: E a teu descendente, que é Cristo."

O que Paulo está dizendo é que o concerto com Abraão foi feito antes da lei. E foi feito com Cristo em mente. Vamos continuar com verso 18.

"Pois se da lei provém a herança, já não provém mais da promessa; mas Deus, pela promessa, a deu gratuitamente a Abraão. Logo, para que é a lei? Foi ACRESCENTADA por causa das transgressões, ATÉ que viesse o descendente a quem a promessa tinha sido feita... "

Paulo está dizendo que a lei foi adicionada bem depois das promessas a Abraão, até Cristo. Houve um COMEÇO e um FINAL definidos para a lei. Isto é crucial para compreender o argumento seguinte de Paulo. Agora note os versos 23 em diante.

“Mas, antes que viesse a fé, estávamos guardados debaixo da lei, encerrados para aquela fé que se havia de revelar. De modo que a lei se tornou nosso tutor para nos conduzir a Cristo, a fim de que pela fé fôssemos justificados. Mas, depois que veio a fé, já não estamos debaixo de um tutor.”

Paulo continua com sua discussão terminando o capítulo três com a famosa afirmação no verso 29:


" E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa."

O que Paulo está dizendo é que a promessa do Cristo veio ANTES da lei. Ela é independente da lei. A lei foi ADICIONADA para mostrar-nos nossa necessidade de Cristo. Ela foi nosso tutor para trazer-nos a Cristo, no qual podemos ser justificados pela FÉ. Claramente, Paulo está indicando que a lei era uma instituição TEMPORÁRIA para nos mostrar nossa necessidade de Cristo. Mas quando nós aceitamos Jesus, nós estamos sob o concerto que foi dado antes da circuncisão e da lei, o concerto com Abraão. O cristão agora fica com a justificação de Abraão, um herdeiro da promessa, contornando inteiramente a era da lei! Eu nunca tinha percebido o significado deste verso antes! Eu tive que ler e reler. Eu incentivo você a sentar-se com o livro de Gálatas, ler e digerir isto por você mesmo. A mensagem é tão poderosa e libertadora! Ela também dá a direção para compreender o resto do livro.

No capítulo quatro, ele continua seu argumento discutindo o absurdo de voltar "aos princípios elementares", ou "elementos fracos e pobres" que no contexto são uma clara referência a voltar à vida baseada na lei. Então nos versos 9 a 11 ele diz o seguinte:

"Agora, porém, que já conheceis a Deus, ou, melhor, sendo conhecidos por Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir? Guardais DIAS, E MESES, E TEMPOS, E ANOS. Temo a vosso respeito não haja eu trabalhado em vão entre vós."

Eu mal podia acreditar quando li estes versos. Eu os tinha lido muitas vezes antes, mas nunca tinha compreendido. Desta vez, as palavras pareciam saltar fora da página, como "os quadros escondidos" que eu mencionei no meu testemunho. Paulo poderia ter sido mais claro? Conhecendo o padrão para feriados religiosos no Velho Testamento, de repente ficou claro para mim qual era o assunto aqui. Os judaizantes estavam ensinando a estes cristãos novos que eles tinham que guardar os sábados e o descanso das festas como parte de seu compromisso com Cristo. Os dias, meses, tempos e anos seguem o mesmo padrão do sistema de festas judaicas, incluindo o sábado. Os judaizantes estavam dizendo aos gálatas que eles DEVIAM guardar o sábado e as outras festas. Paulo está claramente dizendo que observar estas festas NÃO É REQUERIDO aos cristãos. Ele vê que fazer isso poderia ser PERIGOSO para a maturidade como cristãos. Ele está dizendo que estas coisas NÃO têm valor porque a lei era uma instituição temporária. Os cristãos são aceitos com base no cumprimento de Jesus da lei e tratados como descendentes de Abraão pré-lei! A mensagem de Gálatas pareceu vir literalmente à vida para mim. Aquelas passagens difíceis de compreender, de repente faziam perfeito sentido!

O livro de Gálatas tem um tema básico do começo ao fim. Não volte para guardar a lei, incluindo o sábado. Enquanto há muita instrução sobre a vida moral, em Gálatas ou em qualquer dos escritos de Paulo, o apelo nunca é através da lei nesse assunto. Ele coloca o sábado junto com as coisas que não são mais obrigatórias e são possivelmente perigosas se feito como parte do processo de salvação. Paulo claramente ensina moralidade responsável, e eu entrarei neste assunto mais tarde, mas seu apelo é para Cristo vivendo em você, não a lei.

ROMANOS 14:5-6

O texto seguinte que eu estudei foi o capítulo 14 de Romanos. Aqui, Paulo faz uma abordagem mais leve. Aqui os cristãos judeus e gentios estão vivendo lado a lado. Há alguns que estão altamente convencidos sobre o alimento que pode ter sido oferecido aos ídolos e outros estão dizendo que os ídolos não existem, dessa forma eles podem comer qualquer coisa. Mas alguns estão julgando a espiritualidade do outro, baseado nestes comportamentos. Paulo entra para mediar a disputa. É neste contexto que a santidade de certos dias sobre outros aparece outra vez. Aqui, o assunto é que a uniformidade cristã não é uma das exigências para a salvação, mas ele é muito mais delicado. Note os versos 5 a 6.

“Há quem considere um dia mais sagrado que outro; há quem considere iguais todos os dias. Cada um deve estar inteiramente convicto em sua própria mente. Aquele que considera um dia como especial, para o Senhor assim o faz. Aquele que come carne, come para o Senhor, pois dá graças a Deus; e quem não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus.”

Paulo está fazendo outra vez a mesma afirmação de novo, através de uma linguagem muito mais delicada, que a santidade dos dias é não mais um assunto obrigatório para os cristãos. À medida que as pessoas estão convencidas completamente em suas mentes, ele não tem nada a dizer sobre isso. Mas isso não deve transformar-se em uma área de julgamento dos outros. Como nós vimos antes, o sábado nunca deve ser confundido com a salvação de uma pessoa. Outra vez, Paulo faz do sábado um assunto que não é para os cristãos do Novo Testamento. Suas instruções têm algumas implicações fortes para aqueles que, no passado, têm feito do sábado "uma verdade salvadora" e algo pelo qual julgamos a "lealdade" do outro. Eu tive que fazer exame duro de algumas coisas que eu ensinei no passado.

HEBREUS 3 & 4

Em seguida em meu estudo, eu fui aos capítulos três e quatro Hebreus. Não há tempo ou espaço para fazer um estudo completo de qualquer uma destas passagens, mas seria útil ler estes capítulos antes de ler meus comentários. Eu notei que a palavra "hoje" é usada 5 vezes. Eu observei também que os filhos de Israel não entraram no descanso de Deus por causa da incredulidade. Eles estavam descansando cada semana no sábado no deserto, porque se eles não fizessem isso, eles seriam executados por quebrar o sábado. Mas eles se perderam por causa da INCREDULIDADE. Mesmo quando Josué os conduziu para a terra prometida, eles não entraram no repouso. Note o verso 3 do capítulo 4.

“Porque nós, os que temos CRIDO, é que entramos no descanso...” (esta é a chave para essa passagem. Entrar no repouso de Deus é a essência de crer em Jesus). Verso 6: "visto, pois, restar que alguns entrem nele, e que aqueles a quem anteriormente foram pregadas as boas novas não entraram por causa da desobediência, determina outra vez um certo dia, Hoje, dizendo por Davi, depois de tanto tempo, como antes fora dito: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações. Porque, se Josué lhes houvesse dado descanso, não teria falado depois disso de outro dia. Portanto resta ainda um repouso sabático (Sabbatismos no grego, que significa Sabbath­ como repouso) para o povo de Deus. Pois aquele que entrou no descanso de Deus, esse também descansou de suas obras, assim como Deus das Suas."

O autor de Hebreus está dizendo que aqueles que acreditam em Jesus estão descansando num repouso semelhante ao sábado. O momento de entrar neste descanso é no chamado HOJE! Cinco vezes nessa passagem, “hoje” é repetido. O descanso semelhante ao sábado que nos é oferecido em Cristo é experimentado "hoje"; hoje e cada dia enquanto nós confiamos na justificação e de Cristo e deixamos de confiar em nossas próprias obras. Aqui, outra vez o Novo Testamento indica que o sábado é uma instituição CUMPRIDA. Aqui nós vemos que Jesus é o nosso descanso sabático. Quando nós confiamos nEle pela fé, nós experimentamos o descanso sabático cada dia de nossas vidas! Que lindo conceito! Jesus é nosso sábado quando diariamente confiamos nEle. Meus olhos estavam começando ver uma outra perspectiva que eu nunca tinha visto antes.

Há alguns que tentam fazer deste texto uma razão para a guarda continuada do sábado, mas isso ignora o contexto da passagem. Isso ignora também o contexto maior do livro de Hebreus. O livro inteiro é dedicado a mostrar a superioridade de Cristo sobre todo sistema do Velho Testamento. Por exemplo, Hebreus 1 enfatiza Sua superioridade sobre todo o Velho Testamento (1:1-3). Nos versos 4 e seguintes, Ele é mostrado como sendo superior a todos os anjos. No capítulo 3, Ele é visto como sendo superior a Moisés. Nos capítulos 5-7, Ele é superior a todos os sacerdotes, introduzindo uma nova ordem, a ordem de Melquisedeque. Nos capítulos 8-10, Ele é um santuário/templo maior, um sacrifício maior, um concerto maior. O livro inteiro de Hebreus é sobre Jesus sendo melhor do que e o cumprimento do todo o sistema do Velho Testamento/concerto. Tentar dizer, no meio deste tema, que o sábado é um dia obrigatório para os cristãos, é perder não somente o contexto dos capítulos 3 e 4, mas o contexto maior do livro. O ponto lógico que o autor está construindo é que JESUS É UM SÁBADO MELHOR do que o velho descanso literal de um dia por semana, mas ELE É NOSSO DESCANSO HOJE E A CADA DIA, À MEDIDA QUE CONFIAMOS NELE! Ele é o templo verdadeiro, a verdadeira Páscoa, a verdadeira lei, o VERDADEIRO SÁBADO! À medida que comecei a estudar tudo isso, meu coração queimava dentro de mim enquanto eu via o significado de Jesus neste livro.

As passagens seguintes de Hebreus apenas enfatizam o que o estudo já havia me ensinado, mas elas deixam ainda mais claro o que o Novo Testamento está dizendo sobre o que o Velho fala. Observe alguns destes versos selecionados de Hebreus 8 a 10. Por favor, não pegue minha palavra para tudo. Pegue sua Bíblia e estude por você mesmo o que está sendo dito aqui. Estude o contexto e os versos entre minhas seleções para ver se estas coisas são assim. Vamos começar com o capítulo 8 logo após a frase no verso 5 que se refere ao sistema do templo como uma "sombra de coisas celestiais" (interessante similaridade à Col. 2:16-17) Observe o verso 6 e 7.

“Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de um melhor concerto, o qual está firmado sobre melhores promessas. Pois, se aquele primeiro fora sem defeito, nunca se teria buscado lugar para o segundo.”

V. 13 “Dizendo: Novo concerto, Ele tornou o primeiro OBSOLETO. E o que se torna obsoleto e envelhece, perto está de desaparecer.”

Cap. 9:15 “E por isso é mediador de um novo concerto, para que, intervindo a morte para remissão das transgressões cometidas debaixo do primeiro concerto, os chamados recebam a promessa da herança eterna.”

Cap. 10:1 “Porque a lei, tendo a sombra dos bens futuros, e não a imagem exata das coisas, não pode nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem de ano em ano, aperfeiçoar os que se chegam a Deus."

Cap 10:9 “... Ele tira o primeiro, para estabelecer o segundo...”

Eu incito você que está lendo minhas reflexões para tomar tempo para mergulhar no ensino de Hebreus 8 a 10! Há muito alimento nestes capítulos.

2 CORÍNTIOS 3

Agora vamos para a minha parada seguinte, II Cor.3:6,7.

“mas a nossa capacidade vem de Deus, o qual também nos capacitou para sermos ministros dum novo concerto, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica. Ora, se o ministério da morte, GRAVADO COM LETRAS EM PEDRAS, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fixar os olhos no rosto de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual se estava desvanecendo...”

Enquanto eu estudava estas passagens, eu me convenci que uma mudança radical tinha ocorrido no evento da Cruz. Muito maior do que eu já tinha entendido antes. Eu comecei a ver que a parede divisora da hostilidade que Cristo quebrou, referida em Efésios 2:11-19, verdadeiramente incluiu toda a lei incluindo as leis específicas que dividiam judeus e gentios. O sábado, as festas, as leis de limpos e imundos, o sistema sacrificial, a circuncisão, todos eles foram cumpridos em Jesus. Desse modo, Cristo fez verdadeiramente todos os crentes em um, nEle.

ATOS 15

Uma outra passagem que eu olhei foi Atos 15. Aqui encontramos os líderes da igreja reunidos em Jerusalém para decidir quais leis seriam obrigatórias aos cristãos gentios. Havia aqueles (os judaizantes) que estavam ensinando que a menos que uma pessoa fosse "circuncidada de acordo com a lei de Moisés, ela não poderia ser salva" (v.1). Estes judaizantes, da seita dos Fariseus que tinham se tornado cristãos, estavam colocando a exigência da circuncisão e a guarda da lei de Moisés sobre os novos conversos. Paulo e Barnabé estavam convictos que tais exigências não deviam ser colocadas sobre os novos crentes. Pedro concordou com eles e disse (v.10 a 11): "Agora, pois, por que tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar? Mas cremos que somos salvos pela graça do Senhor Jesus, do mesmo modo que eles também.” Ele vai ao ponto que nós somos salvos pela graça e não pela lei.

Neste ponto é necessário destacar o fato que o sinal de entrada de se tornar um judeu era o sinal da circuncisão. Uma vez que alguém era circuncidado, ele era então requerido a guardar todas as leis. Isto incluía o sábado, que era o sinal continuado da lealdade ao velho concerto, como logo nós veremos. Obviamente, o sinal da circuncisão não era claramente visível a menos que os homens estivessem em um quarto fechado, mas o sinal continuado do sábado era muito óbvio e ambos homens e mulheres participavam deste sinal. A falha em guardar o sábado era punível pela morte (Ex 31:14). O sinal do sábado, entretanto, não era esperado daqueles que não eram oficialmente judeus. O sinal de entrada da circuncisão era um pré-requisito para a entrada na comunidade judaica. Uma vez que alguém era circuncidado, ele estava então sob a obrigação de guardar todo o resto da lei, incluindo o sábado.

As regras a respeito do sábado envolviam não levar uma carga, não fazer um fogo, não viajar e, naturalmente, não trabalhar de qualquer jeito. Isto era aplicado aos judeus e também ao estrangeiro dentro de suas casas. Não era aplicável aos estrangeiros que "estavam temporariamente entre eles". Somente aqueles dentro de suas portas eram requeridos a guardar o sábado. Havia também as leis de alimento e as leis de impurezas que eram parte deste sistema e marcavam os judeus como separados do resto do mundo. É claramente a estas exigências que Pedro estava se referindo como a uma carga demasiadamente pesada para carregar.

Em Atos 15, os líderes da igreja chegaram a uma solução. Eles decidiram não colocar sobre os novos conversos quaisquer regulamentos específicos que eram parte do sistema do concerto do judaísmo. Eles não requereram o sinal de entrada, assim como o resto das leis não se aplicaria tampouco. Assim como nós não requeremos alguém que não é batizado a seguir todas as diretrizes de uma determinada igreja. Os regulamentos que eles requereram tinham suas origens no concerto com Noé (veja o Gen 6 a 10 que incluiu a adoração do Deus verdadeiro, evitando as coisas estranguladas e o sangue e a imoralidade sexual). Isso era considerado pelos judeus ser requerido a TODOS OS POVOS, desde que o concerto foi com Noé. Leviticos 17 a 18 amplia e define o que significa estes regulamentos. Em cada caso em Leviticos 17 a 18, fica claro que eles são obrigatórios ao "estrangeiro que está temporariamente entre eles" (observe a clara distinção entre este grupo e o "estrangeiro que está dentro de suas portas"). Note também em Atos 15:20 que estes regulamentos SÃO considerados também obrigatórios aos novos conversos. A razão era que havia judeus em cada cidade em que se lia a lei de Moisés cada sábado e eles esperariam que alguém que teme ao Senhor, mesmo não sendo parte da comunidade judaica circuncidada/observadora do sábado, seguisse estas diretrizes. Por quê? Porque os judeus acreditavam que elas eram exigências universais baseadas no concerto com NOÉ. Para qualquer judeu respeitar um cristão, o crente deve ser visto como seguidor das leis dadas a Noé pelo menos. Então, o primeiro conselho da igreja decidiu requerer as estipulações do concerto com Noé a todos os cristãos, mas não requerer os regulamentos mosaicos. Essas regras foram repetidas outra vez na carta dirigida às igrejas do gentios nos versos 28 e 29. O resultado foi grande alegria na igreja.

O que se tornou claro como cristal à medida que estudei, foi que o sábado NÃO era uma das exigências colocadas para os novos crentes. E mais, o argumento que alguns têm defendido (um que eu costumava promover) simplesmente não se encaixa. O argumento diz que desde que não houve nenhum grande debate sobre o sábado na igreja primitiva e houve muita discussão sobre a circuncisão, o sábado deve ainda ser requerido. Se a circuncisão foi o grande problema, o sábado não teria sido um assunto maior? Não realmente. Para quem não entrou na comunidade judaica pela circuncisão, não havia nenhuma exigência do sábado. O sinal de entrada vinha primeiro. O sinal continuado era insignificante se o sinal inicial não estivesse presente.

PAULO E O SÁBADO

Um outro argumento que eu ouvi, e usado por mim mesmo em uma vez, era o fato que o costume de Paulo era ir à sinagoga no sábado. Isto deve significar que ele achava que isso ainda era obrigatório. Certo? Não necessariamente. O problema com o argumento é que ele falha em não considerar a MOTIVAÇÃO de Paulo em estar lá. Era o costume de Paulo ir à sinagoga para EVANGELIZAR os judeus. Ele ia aos judeus primeiramente (Rom.1:16) sempre que ele chegava a uma nova cidade. Ele ensinava lá até que ele era expulso e então se encontrava com os gentios.

SÁBADO, O SELO DE DEUS E A ESCATOLOGIA ADVENTISTA

Outro texto que é freqüentemente levantado, especialmente em círculos adventistas, é todo o cenário de Apocalipse ensinado pela igreja adventista. De acordo com esta visão, o sábado, porque era o selo ou o sinal do velho concerto (veja Ex. 31:12-18), deve, portanto, ser o "selo de Deus" em Apocalipse. Assim muitos concluem que o sábado deve ser o teste final de lealdade para toda a humanidade. Esta visão enfatiza também Apoc. 12:17 que descreve a igreja remanescente como a que guarda os mandamentos de Deus e tem o testemunho de Jesus. Há alguns problemas com esta conclusão.

Primeiro, o Novo Testamento em nenhum lugar chama o sábado de o Selo de Deus. De fato, o Selo de Deus no Novo Testamento é o Espírito Santo (veja Ef. 1:13-14; 4:30 e II Cor. 1:22). Ignorar este claro ensino é perder todo o sentido do que Apocalipse está tentando dizer. Segundo, a palavra que João usa para mandamentos (entole, no grego) nunca é usada nos escritos de João para referir-se aos Dez Mandamentos.[3] Quando João está falando da lei em geral ou dos Dez Mandamentos em particular, ele usa sempre a palavra para a lei no grego que é "nomos". Quando João usa “entole”, ele faz isso para referir-se às instruções de Jesus para a prática de amar um ao outro. Assim o Apoc. 12:17 traduzido para o inglês (em harmonia com uso de entole por João) é: "aqueles que amam verdadeiramente o próximo e está falando ao mundo sobre Jesus”. Isto se encaixa perfeitamente com o Selo de Deus e com o assunto principal de Apocalipse. O Espírito Santo de acordo com João 13 a 16 é o outro Consolador. Ele vive em nós e nos guia. Ele é JESUS HABITANDO em nossas vidas. O Selo de Deus nos últimos dias representa aqueles que têm uma caminhada pessoal diária com Jesus através da atuação do Espírito Santo. Isso é o que significa ser selado. Essa é a mesma mensagem de Hebreus 3 e 4. Quando nós repousamos em Jesus hoje e a cada dia, Ele é nosso sábado. O Espírito é a garantia de nossa herança (Efésios 4:14)! Em resumo, o Selo de Deus é Jesus vivendo em nós através da atuação do Espírito Santo. A marca da besta, por sua vez, seria aqueles que escolhem NÃO acreditar, que se recusam a aceitar o dom da graça, que se recusam a descansar em Jesus e escolhem depender de outra maneira. Aqueles que escolhem depender de suas próprias obras em vez de confiar no único Filho de Deus, têm a marca da besta.

Eu gastei muito tempo na seção de aplicação (as Epístolas) do Novo Testamento. Tornou-se claro que não há uma exigência obrigatória continuada para guardar o sábado. O que está alto e claro nas Epístolas do Novo Testamento é que Jesus cumpriu o sábado. O dia santo, no mínimo, tem sua importância diminuída. Ele NÃO deve ser usado como um assunto divisor ou um comando obrigatório para cristãos gentios. Ele não deve ser visto como um teste de lealdade. Ao invés disso, uma caminhada diária com Jesus através da atuação do Espírito Santo é o novo SELO ou TESTE.

JESUS E O SÁBADO

A próxima questão que eu precisei perguntar foi: "o que Jesus ensinou e qual significado que Ele deu ao sábado"? Eu lembrei que Jesus veio sob a lei para obedecer perfeitamente a lei (Gal. 4:4-5). Assim Ele teve que viver sob todas as exigências da lei. Ao mesmo tempo, eu precisava ver se Ele ensinou e viveu da maneira como estabelecido pela visão do cumprimento, ou ensinou uma continuidade teológica.[4]

MATEUS 5.17

Eu comecei em Mateus 5:17. Jesus diz:

"Não pense que Eu vim destruir a lei ou os profetas. Eu não vim destruir, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido."

No início, um olhar de relance neste texto parece indicar que a teoria da continuação está correta no ensino de Jesus. Mas um exame mais detalhado revela o contrário. Primeiro, eu notei a frase "lei e os profetas". Jesus não está se referindo aqui à lei dos Dez Mandamentos especificamente. Ele está usando a palavra "nomos" para se referir aos primeiros cinco livros de Moisés. "Os profetas" se referem ao resto do Velho Testamento. Se um "jota" ou um "til" não pode passar da lei, nós não devemos misturar um tipo de roupa com outra, nós devemos executar os que quebram o sábado, nós não devemos ter relações com nossas esposas até pelo menos sete dias após o final do período da mulher. Nós devemos sacrificar animais e todo o resto. Dessa maneira os não-vegetarianos não devem misturar produtos de leite com carne (um Big Mac é um pecado). Se você tocar em uma carcaça morta, você deve ser posto em quarentena. Todas as festas religiosas ainda se aplicam. É isso que Jesus está dizendo? NÃO! A palavra chave para compreender esta passagem, eu descobri, é a palavra "CUMPRIDO". Jesus está dizendo que nenhuma parte da lei pode ser ignorada, nem mesmo um acento ortográfico, mesmo que o céu e a terra passem. Você não pode fazer isso ou ensinar outro a fazer, até que tudo esteja CUMPRIDO.

Se você ler no livro de Mateus e nos outros evangelhos, a palavra "cumprido" é repetida várias vezes. Pegue uma Concordância bíblica e verifique. Aqui estão alguns exemplos: Mt 1:22 -23 refere-se ao cumprimento da profecia sobre a virgem ter um filho; Mt. 2:15 fala da profecia que Ele seria chamado do Egito; Mt. 8:17 é sobre a profecia cumprida a respeito de Seu ministério de cura. A lista vai longe. Finalmente, em João 19:28 nós encontramos estas palavras:

“Depois, sabendo Jesus que todas as coisas já estavam consumadas, para que se cumprisse a Escritura, disse: Tenho sede.” Estava ali um vaso cheio de vinagre. Puseram, pois, numa cana de hissopo uma esponja ensopada de vinagre, e a chegaram à boca. Então Jesus, depois de ter tomado o vinagre, disse: “está consumado”. E inclinando a cabeça entregou Seu espírito.”

Jesus não veio destruir, mas "CUMPRIR". Esta visão do cumprimento encaixa-se perfeitamente com o que eu tinha aprendido na seção de aplicação do Novo Testamento.

MATEUS 12:1-8


Assim, eu fui para a seção seguinte. Mateus 11:28-30 onde Jesus se denomina de provedor do descanso:


"Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei". 

Imediatamente depois desta declaração nós entramos nos debates do sábado. Leia Mt 12:1-8 e note então os seguintes pontos.

Jesus está com Seus discípulos andando na seara, comendo espigas e são parados pela patrulha religiosa por trabalhar no sábado. Esta não era uma infração do código Mosaico, apenas de algumas das tradições rabínicas, mas é interessante ver como Jesus responde às acusações.

Primeiro, Ele conta a história de Davi e como ele, o rei ungido, pediu o pão da proposição do santuário para comer. Isso não era uma coisa lícita a fazer, mas desde que ele estava nos negócios de rei, fez isso sem ser culpado. A pergunta que eu fiz a mim mesmo foi: "que tipo de lei Davi estava quebrando? Uma lei moral ou uma lei cerimonial?" A cerimonial, é claro. Davi não estava isento das leis morais. Nós sabemos que quando ele quebrou o 7º mandamento, houve um preço alto a pagar.

Em seguida, no verso 5, Jesus lembra aos Fariseus que os sacerdotes no templo podem quebrar o sábado ao fazer seus deveres sacerdotais. Agora eu pergunto outra vez: “que categoria de mandamentos o serviço sacerdotal quebra? O sistema sacerdotal está claramente sob o sistema cerimonial. Os sacerdotes eram isentos dos mandamentos morais? Eles poderiam mentir, roubar, cometer adultério? Não. É claro que não.

Finalmente, eu saltei para João 7:22-23 por um segundo. Lá Jesus diz a Seus acusadores que a lei de Moisés a respeito da circuncisão tem precedência sobre o sábado. Se o dia a ser circuncidado fosse o sábado, a circuncisão era realizada. Agora eu me perguntei outra vez: "qual a categoria da lei que o sábado é colocado em cada um destes cenários?" O ceremonial! O sábado é "vencido" pelo cerimonial todas as vezes. Em qual categoria isto põe o sábado então? Cerimonial, é claro! Jesus está dizendo aos acusadores: "se Davi podia comer o pão da proposição (quebrando uma lei cerimonial), se os sacerdotes podiam fazer o trabalho no templo no sábado, se a circuncisão podia ser realizada no sábado, então o Ungido, o Filho do Homem, certamente é Senhor do sábado. Ele está sobre e acima desses regulamentos cerimoniais.

Eu devo admitir que esta descoberta me afetou profundamente. Jesus claramente agrupa o sábado com as coisas que nós sabemos agora serem sombras de o que havia de vir. Ele agrupou o sábado com o sistema cerimonial. Ele estabeleceu a base para Col 2:16-17. Ele se denominou o PROVEDOR DO DESCANSO e o SENHOR DO SÁBADO. Isto se encaixa perfeitamente com o que nós encontramos em Col 2:16-17.

MARCOS 2:27 O SÁBADO FOI FEITO PARA O HOMEM

Marcos, no capítulo 2 verso 27, adiciona uma declaração a isto: "o sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado." Alguns estudiosos adventistas dizem que isto significa que o sábado foi estabelecido na criação e, portanto, é dever moral e obrigatório para todos os tempos. Mas o problema com essa interpretação é que a linguística não sustenta isto. Jesus não está fazendo uma declaração universal aqui. Está dizendo basicamente que o sábado foi feito para o homem, não o contrário. O contexto ensina claramente que o sábado não está na categoria de deveres morais. Ele está agrupado dentro do sistema provisório ou cerimonial. Esta verdade, originada exatamente do coração dos ensinos de Jesus sobre o sábado, abriu verdadeiramente até mim um novo paradigma. Eu sempre estudei estas passagens com o intuito de mostrar que o sábado deve ser o dia do Senhor (portanto, a declaração de Apocalipse 1:10 sobre o dia do Senhor deve se referir ao sábado e não ao domingo). Enquanto fazia isso, eu perdia a mensagem clara da passagem. Jesus estava claramente estabelecendo a base para a teologia do cumprimento.

Uma observação mais. A passagem em Mateus começa com Jesus se denominando o Provedor do Repouso. O relato de Marcos começa com esta declaração em Mc 2:22: "E ninguém põe vinho novo em odres velhos; do contrário, o vinho novo romperá os odres, e perder-se-á o vinho e também os odres; mas põe-se vinho novo em odres novos". No relato de Lucas da mesma história, a mesma introdução é usada (Lc. 5:36-39). Jesus está dizendo, e os autores dos evangelhos entenderam isso, que não é possível se enforcar no velho sistema e ao mesmo tempo fazer sala para o verdadeiro sábado, Jesus Cristo. Um ou o outro terá que ceder. Não, Jesus não diz diretamente que o sábado não será mais um assunto obrigatório na nova era, mas Ele endossa isso completamente pelo que Ele ensinou e deu exemplo. Ele claramente aponta Ele mesmo como o cumprimento e adverte contra deixar a forma fazer com que nós percamos o verdadeiro sábado, Ele.

JUBILEU, O SÁBADO FINAL

Outra ilustração dos evangelhos que me deixou impressionado, porque eu nunca tinha visto isso antes, está em Lucas 4:16. Para entender o contexto, um conhecimento do sistema do sábado no Velho Testamento é essencial. Começando em Leviticos 23, o sistema é exposto. Ele começa com os sábados semanais que apontam adiante para as festas mensais e anuais, que por sua vez apontam adiante para os anos sabáticos, que apontam adiante para o sábado final, o ano do Jubileu. Depois que o sétimo ano sabático era celebrado, no 50º ano era para ser um ano do jubileu quando toda a terra devia retornar aos proprietários originais, todos os escravos seriam libertados, todo os débitos eram perdoados. Era um ano de liberdade. Este era o jubileu que foi referido em Isaias 61:1-2 em referência à vinda do Messias. Ele devia liderar o Jubileu final. Agora com esse cenário note o que Lucas 4:16 diz:

“Chegando a Nazaré, onde fora criado; entrou na sinagoga no dia de sábado, segundo o Seu costume, e levantou-se para ler. Foi-lhe entregue o livro do profeta Isaías; e abrindo-o, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor está sobre Mim, porquanto Me ungiu para anunciar boas novas aos pobres; enviou-Me para proclamar libertação aos cativos, e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos e para proclamar o ano aceitável do Senhor. E fechando o livro, devolveu-o ao assistente e sentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nEle. Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta escritura aos vossos ouvidos.”

Jesus não somente reivindicou ser o Messias nesta declaração, mas se denominou de JUBILEU! Jesus chamou Ele próprio de o SÁBADO FINAL! Ele estava reivindicando ser o Messias e o sábado personificado. As pessoas sabiam exatamente o que Ele estava reivindicando! Eles tentaram matá-lo por isso. Jesus pode ser mais claro sobre quem Ele é? O sábado é uma Pessoa!

Eu fiquei ainda mais impressionado quando li os versos e os capítulos que se seguem. Jesus expulsa demônios, cura doentes, limpa leprosos e perdoa pecados; todas as atividades do Jubileu! Finalmente, no segundo sábado, Ele está atravessando a seara, colhendo e comendo grãos, quando o fariseus aparecem. Jesus está fazendo o que é parte da instrução de como as pessoas deviam comer durante o ano do jubileu! Coma dos campos! À medida que eu lia todas estas coisas, era como tapa-olhos caindo de meus olhos. Eu estava vendo um Jesus que claramente reivindicava ser o sábado personificado, o provedor do descanso, aquele que veio cumprir a lei.

TRANSFIGURAÇÃO

Finalmente a história da transfiguração começou a ter novo significado para mim. Você lembra como Moisés e Elias apareceram no alto da montanha com Jesus e Ele estava transfigurado. Eu sempre achei que isto era um retrato pequeno do Reino, mas eu perdi uma importante declaração que é feita por Deus. Moisés, para as pessoas daqueles dias, representava a lei, os primeiros cinco livros. A lei era frequentemente referida apenas como Moisés. O profeta principal da era do Velho Testamento de acordo com os judeus foi Elias. Ele representava os profetas para eles. Então Pedro sugere que eles permaneçam lá para que ele construa abrigos para mantê-los juntos. Ele essencialmente está dizendo que Elias, Moisés e Jesus estão todos no mesmo nível. De repente "uma nuvem brilhante os cobriu... Uma voz diz: “Este é Meu Filho amado, em quem Me comprazo. A Ele ouvi ”(Mt 17:5)! Os discípulos ficam estarrecidos, é claro, mas logo depois o que eles vêem? SOMENTE JESUS. Eu nunca tinha visto o significado disso antes. Jesus, a lei e os profetas estão lado a lado. Deus diz: ouçam Meu Filho! Isso não é a lei, os profetas E Jesus. Para a era cristã, é APENAS JESUS. Jesus está em uma completa associação através dEle mesmo. Ele é a mais clara revelação de Deus. A lei e os profetas têm seu lugar, mas desvanecem em insignificância diante de Jesus. Este verso ajudou a ressaltar em minha mente o ensino de Gálatas, Romanos e o resto das epístolas: a autoridade final agora não é a lei ou os profetas, mas Jesus (veja Heb. 1:1-3).

O SÁBADO NO VELHO TESTAMENTO

Agora, depois do estudo meticuloso no Novo Testamento, eu estava pronto para voltar ao Velho Testamento em meu estudo.

O SÁBADO FOI ORDENADO NA CRIAÇÃO OU NO ÊXODO?

Eu sempre achei que o sábado foi estabelecido na criação. Desde que o sábado era uma ordenança da criação, então ele veio antes da lei e deve ter um significado universal. Assim eu fui para Gênesis 2:1-3, onde o final da criação é relatada. O v. 2 diz: " havendo Deus completado no dia sétimo a obra que tinha feito, descansou nesse dia de toda a obra que fizera. Abençoou Deus o sétimo dia, e o santificou; porque nele descansou de toda a Sua obra que criara e fizera."

"É isso!" Eu pensei comigo mesmo. “O sábado foi estabelecido na criação. Desde que isso é verdade, ele deve ser uma instituição eterna"! O problema que se tornou logo aparente com essa rápida conclusão, era que ela pula para muitas suposições também.

Primeiro, não há nenhuma tarde e manhã mencionadas aqui. Todos os outros dias restantes da criação tiveram noite e manhã conectadas a eles. Não que não fosse um dia literal, mas havia um aspecto de continuidade neste dia que está implícito. Deus pretendia que o descanso que Ele tinha estabelecido tivesse uma qualidade contínua. Isso teria permanecido como uma experiência diária não fosse pela entrada do pecado. O descanso teria sido uma realidade perpétua.

Segundo, a palavra sábado não é mencionada. Não há nenhuma menção disto sendo um sábado.

Em terceiro lugar, não havia nenhuma necessidade para Adão e Eva descansar porque eles não ainda não tinham trabalhado. Finalmente, não há nenhum registro que qualquer pessoa guardou o sábado nesse tempo até que Deus ensinou o povo através do episódio do maná e, naturalmente, no Monte Sinai. A instituição do casamento, por outro lado em Gêneses 2:24 estabelece claramente o casamento como uma ordenança continuada. Há muita evidência que ela era uma parte da maneira de vida em todos os anos seguintes. Mas para o sábado não há nenhuma menção durante 2500 anos!

O que eu aprendi é que a idéia da ordenança na criação tem algumas fraquezas sérias. Assim se eu for fiel a o que o texto diz realmente, eu tinha que admitir que duas interpretações são permitidas: 1) uma ordenança na criação de um sábado semanal, ou 2) uma obra terminada e uma celebração que era pretendida permanecer no mundo por cada dia posterior.

O SÁBADO EM ÊXODO

Nós não encontramos o sábado mencionado outra vez até Êxodo 16:23. Deus explica o conceito do sábado ao povo de Israel com o episódio do maná. À medida que eu estudava, tornou-se evidente que o povo desconhecia completamente o sábado até este momento. Eles tinham recebido alguns mandamentos novos tais como o sacrifício do cordeiro em Êxodo 12 e a instituição da festa do Páscoa no mesmo período. Eles sabiam sobre a circuncisão, mas estavam sendo apresentados agora ao sábado. O contexto é claro que o povo tinha que ser ensinado sobre o que era o sábado.

O sábado é expandido mais tarde em Êxodo 20:8-11 como um dos Dez Mandamentos. Lá, eles foram instruídos a lembrar do sábado. Alguns têm sugerido que isso se refere ao estabelecimento na criação. Outros, que isso se refere ao episódio do maná. Uma e outra tradução é permitida no texto. Observe que os que são obrigados a descansar incluem "o estrangeiro dentro de suas portas", um grupo diferente do "estrangeiro que peregrina entre vós" em Levíticos 17 a 18. Este comando não foi para qualquer um como uma ordenança da criação pode indicar (veja comentários sobre Atos 15).

Finalmente, no verso 11 é dito: "Porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou; por isso o Senhor abençoou o dia do sábado, e o santificou". Agora outra vez, uma olhada rápida parece indicar que era uma ordenança da criação que havia sido estabelecido na criação. E o texto definitivamente permite isso. Mas ele permite também a outra noção que desde que Deus é o Criador, você deve adorá-Lo como tal. Sua benção e santificação do sétimo dia na criação é agora, desde a instrução do maná, chamado de sábado. O sábado é parte da instituição que veio depois do episódio do maná. Deus tem o direito de exigir isto de Seus seguidores porque eles são seres criados por Ele. Outra vez, duas interpretações possíveis são permitidas aqui: uma ordenança na criação ou um estabelecimento posterior pelo mesmo Criador no incidente do maná.

Desde que tanto a ordenança do sábado na criação ou a ordenança posterior honra o texto, eu precisava estudar mais para ver se o contexto do Velho Testamento dá alguma dica sobre qual é a correta. O que me impressionou foi a clareza de outros textos deste assunto. Eles declaram exatamente qual a maneira de interpretar estes textos. Não há razão para confusão. Uma coisa eu encontrei em meus estudos, em assuntos importantes, Deus fornece sempre ao menos três ou mais passagens para que possamos nos certificar que não estamos fora do caminho.[5] Ele não nos deixa supor que temos que ser super-inteligentes ou com dom especial para compreender o que realmente é importante. Um texto que trouxe esclarecimento se o sábado era uma ordenança da criação para toda a humanidade ou uma lei específica para Israel, foi Êxodo 31:12-18.

“Disse mais o Senhor a Moisés: Falarás também AOS FILHOS DE ISRAEL, dizendo: Certamente guardareis os Meus sábados; porquanto isso é um SINAL ENTRE MIM E VÓS PELAS VOSSAS GERAÇÕES; para que saibais que Eu sou o Senhor, que vos santifica. Portanto guardareis o sábado, porque SANTO É PARA VÓS; aquele que o profanar certamente será morto... Guardarão, pois, o sábado OS FILHOS DE ISRAEL, celebrando-o nas SUAS gerações como concerto perpétuo. ENTRE MIM E OS FILHOS DE ISRAEL será ele um sinal para sempre; porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, e ao sétimo dia descansou, e achou refrigério. E deu a Moisés, quando acabou de falar com ele no monte Sinai, as duas tábuas do testemunho, tábuas de pedra, escritas pelo dedo de Deus."[6]

Note quão claro isto é. O sábado era entre Deus e Israel e foi colocado na tábua do concerto com essa relação em mente. Deuteronômio 5:2,3 fala a mesma coisa.

“O Senhor nosso Deus fez um concerto conosco em Horebe. NÃO COM NOSSOS PAIS FEZ O SENHOR ESSE CONCERTO, MAS CONOSCO, sim, com todos nós que hoje estamos aqui vivos”.

O texto é sobre reiterar os Dez Mandamentos, incluindo o quarto, mas desta vez a razão para guardar o sábado é porque Deus os livrou dos egípcios. Claramente, uma referência a Israel apenas, que não foi estabelecida antes do êxodo, mas era um sinal do repouso proporcionado por esse evento. Neemias 9:13 diz:

“Desceste sobre o monte Sinai, do céu falaste com eles, e lhes deste juízos retos e leis verdadeiras, bons estatutos e mandamentos; O TEU SANTO SÁBADO LHES FIZESTE CONHECER; e lhes ordenaste mandamentos e estatutos e uma lei, por intermédio de teu servo Moisés”.

Ezequiel 20:10-12 diz:

“Assim os tirei da terra do Egito, e os levei ao deserto. E dei-lhes os Meus estatutos, e lhes mostrei as MINHAS ORDENANÇAS, pelas quais o homem viverá, se as cumprir. Demais, LHES dei também os Meus sábados, para servirem de SINAL ENTRE MIM E ELES; a fim de que soubessem que Eu sou o Senhor que os santifica”.

Estas passagens deixaram claro para mim quando o sábado foi estabelecido. O sábado foi posto no coração do concerto com Israel e devia ser entre eles e Deus. Não foi uma ordenança da criação obrigatória a todos os povos para sempre. Isto outra vez estava de acordo com o que eu tinha aprendido no Novo Testamento. A mensagem inteira da Bíblia encaixa-se completamente. O sábado foi um dia estabelecido por Deus como um concerto entre Ele e Israel. Jesus veio cumprir a lei e ser nosso sábado. Os cristãos descansam na obra terminada de Cristo, semelhante ao descanso do sábado. Como filhos de Abraão, os cristãos são justificados pela fé como Abraão foi, antes da lei ou da circuncisão. O quadro bíblico inteiro está em acordo do começo ao fim.

O SÁBADO NA NOVA TERRA

Agora que a mensagem da Bíblia sobre o sábado foi estudada e o ensino esclarecido em minha mente, havia alguns pontos que pareciam contradizer este tema consistente. Um exemplo era a declaração que na Nova Terra nós estaremos guardando o sábado. Assim eu fui a essa passagem para lê-la por mim mesmo e encontrei algumas coisas interessantes.

Uma, diz que as celebrações serão "de uma LUA NOVA a outra e de um sábado a outro" (Isa. 66:22-23). Isso significa que as festas da Lua Nova devem ser guardadas hoje? Elas ainda são obrigatórias? Então eu notei que os versos seguintes falam sobre os habitantes andando e encontrando os corpos mortos daqueles que se rebelaram contra o Senhor. Isso não soou como a Nova Terra.

Então, vendo o contexto maior da mesma visão, ele diz: "porque o jovem morrerá de cem anos" (Isa. 65:20). Que quadro estranho do céu! A razão para isso soar assim tão estranho é porque "os Novos Céus e a Nova Terra" que Isaias está falando não é a Nova Terra de Apocalipse, onde "não haverá mais morte, ou tristeza, ou choro". Isso está descrevendo o quadro de Isaias de que a terra seria se Israel aceitasse o Messias e se tornasse o centro de atração do mundo. As pessoas viriam a Israel para ver o que seu Deus tinha feito. Eles se juntariam a Israel em adoração e as bênçãos de Deus fariam desta "Nova Jerusalém" o centro do mundo. Esta profecia era uma daquelas que era condicional à aceitação do Messias. Desde que Israel rejeitou o Messias, ela não foi cumprida.

MATEUS 24:20 E A FUGA NO SÁBADO

Uma outra questão perturbante para mim era a declaração de Jesus que seus discípulos orassem para que sua "fuga não fosse no inverno ou no sábado" (Mt 24:20). Isto não indica que o sábado ainda seria obrigatório? A resposta a essa questão tornou-se clara para mim ao ler Neemias 13, onde Neemias está instituindo alguns regulamentos sobre negócios que alguns conduziam no sábado.

Alguns dos gentios vizinhos estavam trazendo suas mercadorias para vender aos israelitas no sábado. Isso já havia sido uma cilada para Israel antes, que tinha feito com que eles se afastassem de Deus e, eventualmente, sido postos no cativeiro. Assim, Neemias fez este regulamento que ainda tinha efeito nos dias de Jesus:

"E sucedeu que, ao começar a fazer-se escuro nas portas de Jerusalém, antes do sábado, eu ordenei que elas fossem fechadas e mandei que não as abrissem até passar o sábado e pus às portas alguns de meus moços, para que nenhuma carga entrasse no dia de sábado" (Neemias 13:19).

Em Mateus 24, a instrução de Jesus foi que os cristãos deviam estar prontos para fugir assim que vissem o exército romano se retirar. Este devia ser o sinal de fuga. O exército romano manteria o cerco somente por um tempo curto. O resto dos habitantes pensaria de que eles haviam desistido e voltariam para suas ocupações habituais. Mas os cristãos deviam ver isto como o sinal de fuga. Mas deviam orar para que ela não fosse no inverno para razões óbvias, e no sábado, por quê? O sábado seria ainda uma instituição obrigatória? Não, fugir do perigo ou lutar na guerra não era considerado pelos judeus quebra do mandamento do sábado. Essa não era a questão. A questão era que as portas da cidade estariam fechadas no sábado e faria com que a fuga dos cristãos fosse realmente impossível. A ordem de Neemias ajudou-me a ver como isso se encaixa. De novo, o quadro inteiro faz sentido.

O SÁBADO E OS 10 MANDAMENTOS

Uma outra questão com que eu lutava, dizia respeito às exigências morais para os cristãos. Para mim, parecia que o resto dos mandamentos do Decálogo ainda era obrigatório aos cristãos, mesmo achando que Romanos e Gálatas e o resto das epístolas ensinassem que nós não estamos sob a lei. O Novo Testamento incentiva a moralidade.

A maioria dos cristãos enfatiza guardar os mandamentos, exceto o quarto. Isso parecia um pouco inconsistente para mim. Mas ao estudar mais e mais, a resposta veio clara também. Durante toda a seção de aplicação do Novo Testamento (após a cruz) há uma renovação de todos os deveres morais da lei dos Dez Mandamentos, incluindo algumas das outras leis do Velho Testamento.

Entretanto, essas renovações NUNCA apelam à lei como a razão de observá-los, mas em cada situação o apelo é por Cristo. Em I Corintos 6:18-20 por exemplo, há uma advertência clara á pureza sexual, mas não apela à lei como a razão para isso, mas ao fato que somos templo de Deus e o Espírito de Cristo está em nós. Como poderíamos juntar Jesus a uma prostituta?

O mesmo padrão é encontrado em todas as epístolas. Outra vez, eu precisei lembrar que esta seção das Escrituras é especialmente escrita PARA APLICAR a mensagem das Escrituras aos cristãos. Eu fiquei impressionado ao descobrir que todos os outros nove mandamentos são estabelecidos novamente como importantes para os cristãos no relacionamento com Cristo, exceto um: o sábado. O sábado NUNCA É ENSINADO como um dever moral para os cristãos. Nem uma vez! Ao invés disso, ele é reinterpretado como um repouso diário em Jesus, como nós já vimos. Observe o seguinte resumo dos mandamentos restabelecidos no Novo Testamento:

1º- Adore a Deus apenas – pelo menos 50 vezes

2º- Não fazer ídolos – 12 vezes

3º- Não profanar – 4 vezes

4º- Lembrar do sábado – não mencionado

5º- Honrar os pais – 6 vezes

7º- Não adulterar – 12 vezes

8º- Não roubar – 4 vezes

9º- Não mentir – 4 vezes

10º- Não cobiçar – 9 vezes

SÁBADO O TESTE FINAL (DECRETO DOMINICAL)

Se a posição adventista, de que o sábado será o teste final de todos os tempos, que ele será o teste final de lealdade, que todos que são seguidores verdadeiros estarão guardando o sábado e se falharem em fazer isso receberam a "marca da besta"; é verdade, não faria sentido que Deus o incluísse em Sua lista de deveres morais para os cristãos repetidamente durante todo o Novo Testamento? Deus não advertiria e re-advertiria Seus discípulos? Quebrar o sábado não estaria nas listas de pecados que Paulo e outros estabeleceram e restabeleceram muitas vezes em suas advertências aos novos crentes? Por que não há nenhuma instrução aos gentios "Jonas" e "Janeius" sobre como guardar o sábado? Não haveria algumas perguntas sobre como guardar o sábado no mundo gentio?

Em meus muitos anos como um pastor adventista, uma das perguntas mais comuns que me era feita por crentes novos e membros de longo tempo era como essa: "o que é OK e o que não é OK para fazer no sábado? Como podemos fazer isso corretamente?" Eu não posso entender porque não haveria NENHUMA INSTRUÇÃO sobre esse assunto durante a era da igreja cristã. A razão é clara. Jesus é nosso sábado. Descansar nEle cada dia, vindo a Ele pela fé, É O SÁBADO do Novo Testamento. Não há nenhuma outra explicação razoável, na minha opnião.[7]

O DOMINGO

Bem, e sobre a adoração no domingo? É certo, errado, ou não é importante? Minha compreensão a partir de meu estudo é que não é importante. Nem é certo, nem errado. É sempre certo adorar a Deus tão freqüentemente e com associação com outros crentes quanto possível. Em Atos 2:42-47, a igreja primitiva fazia adoração diária. Se for possível fazer, será o ideal. Mas nós temos nossas vidas para conduzir e a adoração corporativa diária torna-se impraticável.

Contudo, nós precisamos ter tempo para a adoração corporativa para suplementar nossa experiência diária. Nós não devemos negligenciar a adoração corporativa (Heb. 10:25). Não é errado adorar no sábado e nem é errado adorar no domingo, ou quarta-feira ou qualquer outro dia! Guardar o sábado para reflexão e crescimento espiritual é saudável e deve ser incentivado. Mas a mensagem do Novo Testamento, e do resto da Bíblia, deixa claro que para os cristãos o dia da semana em que isto ocorre não deve ser obrigatória nem exigida.

O DOMINGO E A IGREJA PRIMITIVA

Foi interessante para mim descobrir o processo da igreja primitiva com isso. Em um estudo exaustivo sobre o assunto do sábado para o domingo, D.A. Carson lançou um livro chamado "Do Sábado para o Dia do Senhor".[8] Este livro é um trabalho altamente técnico que examina os pais da igreja primitiva e suas visões sobre o sábado e o domingo.

Desde o ano 100 DC, os primeiros cristãos unanimemente se encontravam no domingo. Esta era uma prática universal entre os cristãos. Ninguém consideraram isso um sábado. Mas todos encontravam-se nesse dia. Isto foi estabelecido muito antes do que os adventistas têm ensinado. E mais, isso era unânime entre os discípulos dos apóstolos. É impensável que isso poderia ter acontecido sem ter sido a prática geral durante a era apostólica.

Outra vez eu quero dizer que os primeiros cristãos pensavam que era um dia bom a se encontrar por causa da ressurreição, mas não o associavam com uma mudança do sábado. Alguns destes cristãos, a maioria judeus, continuavam se encontrando no sábado. Outros, na maior parte gentios, não. Eles tinham as razões que nós já discutimos antes. Claramente, eles compreenderam os ensinos de Paulo e do resto da Bíblia, como já estudamos anteriormente. O sábado era uma opção OK, mas não obrigatória aos cristãos.

Entretanto, havia uma necessidade de se reunir para a adoração. Porque muitos dos cristãos judeus ainda assitiam na sinagoga no sábado, havia uma necessidade de ter uma outra hora em que os cristãos poderiam se reunir para suas próprias reuniões privadas. Isso ocorria no domingo, que eles começaram a chamar Dia do Senhor.

Nosso primeiro registro desta referência foi no ano 107 DC. Isso é apenas 11 anos depois da época da referência de João ao dia do Senhor em Apocalipse 1:10. É muito provável que João estava se referindo ao domingo quando mencionou esse dia. Não por causa de qualquer santidade agregada, mas porque era o dia comum de encontro para os cristãos.

Os primeiros cristãos tinham uma ligação sentimental ao primeiro dia da semana também. Não somente o Senhor ressuscitou nesse dia, mas das sete aparições de Jesus a seus discípulos, cinco delas foram no primeiro dia e nas outras, não há menção específica sobre qual foi o dia.

Também nesse ano, a festa de Pentecostes ocorreu no primeiro dia da semana. A igreja cristã nasceu num domingo. Mas isto NÃO significa que eles agregaram santidade ou qualidades do sábado a esse dia. Não havia nenhum apelo aos Dez Mandamentos anexados ao domingo.

Mesmo muito depois, quando Constantino fez a primeira lei de domingo, ela foi apenas uma lei que proibia o trabalho nesse dia. Ela foi bem recebida por cristãos e pagãos, pois eles não precisavam trabalhar nesse dia. Ela tornou a adoração mais conveniente, mas não foi uma lei baseada na lei do sábado. De fato, os fazendeiros eram isentos dessa lei. Eles poderiam continuar seu trabalho. Isto naturalmente não era permitido na lei do sábado do Velho Testamento.

Havia algum sentimento anti-judeu nesse tempo. Alguns têm sugerido que já que os judeus tinham problemas com o governo, os cristãos tentaram se distanciar dos judeus, começando a se afastar do sábado para evitar a perseguição. Mas os registros dessa época não indicam um povo que fazia alguma coisa porque estava tentando evitar a perseguição por causa de Cristo. Os exemplos são miríades de cristãos permanecendo firmes corajosamente em sua fé, apesar da ameaça da morte. Se isso fosse uma convicção para eles, eles manteriam a posição por ela. Mas eles NÃO tinham essa convicção sobre o sábado, como é visto claramente em sua literatura.

E foi assim até a época de Augustino no quinto século, onde alguma conexão entre os Dez Mandamentos e o domingo começou a ser feita. Mesmo assim, a conexão foi fraca. A santidade do sábado foi considerada cerimonial. Esta visão foi tornada mais proeminente por Tomás Aquino séculos mais tarde. Os reformadores, Calvino e Lutero, foram cuidadosos para declarar que o sábado não era mais obrigatório aos cristãos, mas eles viam mérito em ter esse dia para descanso e adoração.

Isso foi assim até a reforma inglesa em que o Decálogo sabático começou a ser forçado verdadeiramente. Os proponentes principais eram os puritanos. Eles começaram a ensinar que o Sabbath (embora chamavam o domingo de Sabbath) não foi abolido e fizeram regras detalhadas para seguir, de acordo com os regulamentos do Velho Testamento.

Isto naturalmente afetou outros grupos ingleses como os metodistas e os batistas. Muitos destes grupos que vieram a América e Nova Inglaterra tornaram-se notados pela estrita observância do Sabbath (domingo). Foi lá que um grupo, os batistas do sétimo dia deram um passo a mais e começaram a guardar o Sabbath no sábado.

Se o Sabbath do Velho Testamento é obrigatório aos cristãos, raciocinaram, nós temos que o guardar no dia certo também. Foram os batistas do sétimo dia que influenciaram Joseph Bates, que por sua vez influenciou E.G. White e o adventismo do sétimo dia nasceu. Os adventistas inicialmente estavam discutindo com os "puritanos" sobre qual dia é o Sabbath real, ao invés se isso era ou não era uma doutrina do Novo Testamento para os cristãos. Ao discutir sobre qual dia é o Sabbath, a mensagem da Bíblia e a mensagem que a igreja primitiva tinha claramente na mente, foi perdida completamente.

TOMANDO UMA DECISÃO

Eu continuei a orar ardentemente sobre estas coisas. Paula e eu fizemos disso um assunto de procura da alma e pesquisa continuada. O estudo todo me atingiu tão duramente que eu acordava no meio da noite e clamava a Deus: "Senhor, por favor não me deixe ser iludido. Eu quero ser Seu seguidor fiel". Cada vez mais, após muita oração e luta com Deus, as Escrituras vinham à minha mente com claridade ainda maior.

Eu me sustentava em Lucas 11:11-13 repetidamente, dia após dia. Jesus disse que quando nós pedimos o Espírito Santo, Ele nos dará com certeza. Muitas vezes eu me afligia com Deus e orava para que Ele me concedesse repouso, ao invés de me deixar ser iludido ou deixar-me desonrar Sua causa. Mas o Senhor permaneceu enviando-me segurança através de Suas promessas e Sua palavra. Gálatas 5:1 veio à minha mente com grande clareza:


"...permanecei firmes na liberdade com a qual Cristo nos libertou e não torneis outra vez a meter-vos debaixo do jugo da servidão". 

Eu saía desses momentos refrigerado, cheio com o Espírito de Deus e repousando em Jesus, meu sábado. As palavras da Bíblia trouxeram vida para mim. Eu compreendi essas partes da Bíblia, que eu sempre tinha explicado. O véu tinha caído de meus olhos.

Enquanto isso, Paula estava chegando às mesmas conclusões por si própria. Nós sabíamos que Deus estava nos chamando a uma caminhada mais profunda com Ele que poderia envolver pisar fora do era seguro para nós. Nós pensamos no início que Deus podia querer que nós permanecêssemos na igreja e trabalhássemos pela mudança.

Entretanto, à medida que nós orávamos mais e mais, nós nos sentíamos incomodados com essa opção. Nós somos uma equipe a quem Deus tinha especialmente dado o dom de alcançar pessoas fora da igreja. Além disso, nos foi dado o dom de liderança e ensino. Saber a verdade e apenas sentar e esperar a mudança, não parecia encaixar-se no que Deus desejava de nós. Nós estávamos dispostos a fazer isso, entretanto. Certamente, seria menos traumático.

Por outro lado, estava minha responsabilidade de ensinar a verdade. Eu sou um ser humano defeituoso, com muitas falhas, mas Deus está fazendo uma grande obra em meu coração. Eu não posso viver uma vida dupla. Eu não sou um pregador eloquente, nem uma personalidade ofuscante. A única coisa que eu tenho a meu favor são minhas convicções e meu amor por Jesus. Se eu não puder falar do centro de minha experiência com Jesus, eu não sou nada.

Paula e eu sentimos também que seria errado continuar a representar uma organização que nós não acreditamos mais ser a representação da verdade. Continuar a servir nela seria dar credibilidade à suas declarações. Nós temos muitos amigos maravilhosos na igreja adventista. Nós somos gratos ao presidente da Conferência Geral e à nossa equipe de funcionários, idosos, voluntários e tantos outros que nos apoiaram e nos ajudaram a tentar construir uma igreja para uma nova geração.

Nós não queremos ferir a eles ou à igreja, que amamos muito e dedicamos nossas vidas durante os últimos oito anos. Mas nós devemos seguir o Senhor nesta coisa. Nós reconhecemos que haverá aqueles que discordarão fortemente de nossa compreensão da Escritura e nosso sentimento de chamado. Mas nós não devemos a eles. Nós devemos a Deus.

Apesar de que as implicações destas descobertas são assustadoras, há também um sentimento de ansiedade quando olhamos para o que Deus planejou para nós. Nós estamos sendo solicitados a viver na borda áspera da fé. Nós devemos confiar nas promessas de Deus como nunca antes. Nós verdadeiramente estamos aprendendo a viver pela fé e repousar em Jesus, nosso Senhor e nosso amigo.

Para nós, esta não é apenas uma teoria, mas é uma experiência real de fé. É confiança na palavra de Deus e segurança nEle e apenas nEle. Este é descanso do sábado diário. Nós agradecemos porque Deus nos deu confiança com Sua verdade e nos permitiu que o puséssemos à prova. Apesar de nossos temores, nós estamos confiantes no futuro. Onde Deus conduz, Ele provê.

PESQUISA ÚTIL

www.damascus.com Tape series called “The Sabbath in Christ”
www.ellenwhite.org Download material on Ellen White
www.graceplace.org Papers entitled “New Covenant Christians” and “Is Sabbath Observance Required...”
www.ratzlaf.com Books called “The Sabbath in Crisis” and “Sabbath to the Lord’s Day”
www.sdaoutreach.org Downloads on Sabbath and Ellen White

1. Samuele Bacchiocchi, Sabbath Under Crossfire (Biblical Perspectives, 1998) p. 245-248.

2. Ibid. 246-248.

3. Dale Ratzlaff, Sabbath in Crisis (Glendale, AZ,1990) pp 310-311.

4. Ibid. pp. Existem três escolas de pensamento com respeito ao sábado. Há um grupo pequeno, que inclui a IASD que ensina que o sábado continua no Novo Testamento. Um segundo grupo ensina a teologia da transferência e afirma que o mandamento do sábado do sábado ainda é obrigatório, mas a santidade do dia foi transferida do sábado para o domingo (este veio muito depois no desenvolvimento da igreja cristã. Os primeiros cristãos não ensinavam nenhum destes dois conceitos). Finalmente, há um grupo maior de cristãos que ensinam que Jesus cumpriu o sábado e a lei. Ele é o nosso descanso sabático.

5. Essa é uma razão pela qual a doutrina adventista do Juízo Investigativo é tão instável na minha opinião. Ela está baseada em um texto que vem de uma passagem obscura da literatura apocalíptica. Ela é complicada pelo fato que o contexto imediato não parece falar sobre um assunto celestial, mas terrestre. Ela está conectada a outras passagens por laços lingüísticos ainda mais fracos e ignora a real construção literária da imagem sacrificial da manhã e da noite dentro do texto. A fim fazer o poder do chifre se encaixar no cenário adventista, faz este chifre crescer de um dos ventos, ao invés dos chifres do império grego, onde ele logicamente se encaixa. A conexão óbvia a Antioco Epifânio é ignorada. Basear uma doutrina inteira forçadamente é altamente suspeito. Não há nenhum estudioso bíblico fora do adventismo que concorda com a interpretação da IASD. Isto deve levantar uma suspeita para quem faz tantas reivindicações dogmáticas. Basicamente, a posição de IASD tem um texto fraco e E.G.White para sustentar sua posição. Isso não soa como a Bíblia e a Bíblia somente, para mim.

6. Veja 11 Cor. 3:6-9, e Heb. 8:13

7. Estabelecer a linha da guarda do sábado tem sido um problema para muitos sabatistas. Muitas escolas adventistas, anos atrás, não permitiam banhos no sábado. Eu cresci com determinadas regras verbais a respeito da observância do sábado. Era OK vadear no sábado, mas não nadar. Era OK andar de bicicletas, mas não se elas tinham um motor. Era OK jogos que tinham “Bíblia” como parte do nome. A viagem OK no dia de sábado para nós era a distância que uma pessoa podia viajar com um tanque de combustível, sem reabastecer no dia santo. Uma pessoa poderia comer na lanchonete de uma campal, desde que houvesse pago no dia anterior. O problema é claro. Se a lei do Velho Testamento ainda é obrigatória, então que negócio é esse de permitir que as pessoas carreguem pesos, ou viagem, ou prepare refeições, ou faça todas essa sub-regras? Isso é diferente do que os rabis faziam com seus mais de 600 regulamentos de sábado? Por outro lado, se o Novo Testamento reinterpreta estas coisas em Cristo, por que nós não pegamos apenas o que Ele disse para fazermos nossa conclusão completa e bíblica e paramos de fazer do sábado uma doutrina para todos? Não devemos nos focar em Jesus que é nosso verdadeiro sábado? Do contrário, não somos culpados de um neo-legalismo com apenas uma outra série de regras que NÓS criamos? O silêncio do Novo Testamento no assunto de como guardar o sábado faz uma poderosa declaração que Deus não pretendia que Seus seguidores voltassem a esse caminho (veja Gal. 5:1).

8. D.A. Carson, From Sabbath to the Lord’s day: A Biblical, Historical, and Theological investigation (Eugene OR, 1999)

Fonte: Adventismo Na Mira da Verdade

15 comentários:

W. Frank Lorca Bueno disse...

Olá, boa noite a todos! Li o artigo acima e este me foi de grande valia. Serviu para quebrar um grande paradígma que acreditava com todas minhas forças ser real. Acabei percebendo através do texto que aquilo que sempre acreditei sobre a perfeição divina era mentira. Deus não é perfeito. Ele comete enganos. Vou tentar elencar alguns.
Deus se equivocou ao escrever, nas tábuas de pedra c/seu próprio dedo,9 preceitos que nos mostra o que é pecado quando os transgredimos(Rm 7:7), junto com um mandamento que fala de um tal de sábado. Deus de confusão vcs não acham??(ICo 14:33). Como se não bastasse essa gafe ele mandou Moisés colocar as duas tábuas de pedra dentro da arca do concerto(Dt 10:2e5, IRs 8:9, Hb 9:4). E ainda pior, em Apocalípse, livro destinado para solene tempo do fim, quando abre-se o santuário(o celestial), adivinhem o que aperece dentro do santuário? A tal arca(Ap 11:19). E o que será que tem dentro da arca? A lei moral que contém uma falha. Um preceito feito unica e exclusivamente para o povo de Israel, o sábado. Caramba porque esse deus não colocou o tal sábado do 4º mandamento junto com os demais sábados que ele instituiu para valer por um tempo determinado?(até a morte de Cristo). Ah! esses sábados, que não estavam escritos na pedra mas sim em um livro por Moisés ele mandou colocar ao lado da arca(Dt 31:26).
Ele se equivocou também ao gastar tanto espaço na 1ªtábua porque de todos os 10 ele é o mais longo. Errou também a dar a esse mandamento uma função de elemento de ligação. Ele aparece depois dos três primeiros que lala de Deus, e este também fala, e entre os que falam do próximo(ele também fala do próximo).
Equivocou-se também, quando 40 dias antes de dar as tábuas a Moisés, proferiu as palavras que mais tarde escreveria com seu próprio dedo nessas tábuas. Dentre essas palavras estava o mandamento que seria abolido, ou modificado.
Deus agindo assim, de forma errônea, seu espírito santo também age, ao inspirar os salmistas a escreverem que "sua lei é eterna"(Sl 119:142); "A lei do seu Deus está em seu coração(do justo); os seus passos não resvalarão(Sl 37:31); "A lei do SENHOR é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do SENHOR é fiel, e dá sabedoria aos símplices"(Sl 19:7). Ou ao inspirar Paulo quando este escreve que "a lei é santa, o mandamento é santo justo e bom"(Rm 7:12); ou quando ele, Paulo diz que somos "o Israel de Deus"(Gl 6:16). E por aí vai...
Definitivamente um deus paradoxal.
Ainda bem que não é esse deus que eu sirvo. Eu sirvo ao Deus em que "Nele não h´s mudança nem sombra de variação"(Tg 1:17, Is 43:10, Ml 3:6, Sl 102:27, Hb 13:8). Adoro ao Deus que se assenta em um trono que tem uma base sólida(Sl 89:14), Aquele Deus que é capaz de conciliar lei e graça(Jr 9:24), Aquele que muito antes de Montesquieu, inventou os 3 poderes(Is 33:22), Aquele que simplesmente ...É !!!

Anderson Demoliner disse...

Muito bom este estudo!!!

Não estou me gavando mas eu sempre entendí assim como ele crê hoje!!!
Deus continue abençoando seu trabalho irmão!!

Anderson Demoliner

Sola Scriptura

Anderson Demoliner disse...

Pois é Sr W. vejo que o véu que foi retirado por Cristo na Cruz, ainda está sobre seus olhos, ou melhor, colocado pela Papisa e seus titãs com suas falsas interpretações da Palavra de Deus. 2Co3:1-11

Que o Senhor da Glória abra os seus olhos assim como abriu os olhos do ex-pastor adventista, os olhos da minha esposa, sogra, cunhada e poderia falar ainda muitos outros, como o próprio Apóstolo Paulo.

É Deus procurando e achando as Suas ovelhas.

Na paz do cordeiro

Anderson Demoliner

Sola Scriptura

W. Frank Lorca Bueno disse...

Irmão Anderson, boa noite! Eu lhe apresentei argumentos bíblicos lógicos. Agora, se o Espírito Santo não lhe deu o dom do raciocínio, é realmente lamentável. O que espero é que alguém que use as faculdades mentais dadas por Deus Todo Poderoso refute de forma lógica e sincera, livres de preconceito, as premissas apresentadas no comentário anterior. Agindo dessa forma, vc só será mais um marionete do poder romano que repete e repete dogmas humanos ou cita por vezes textos bíblicos descontextualizados. Vc citou Paulo e eu vou citar o que Pedro falou a respeito de Paulo:"E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; Falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição.Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados, e descaiais da vossa firmeza"(2 Pedro 3:15-17). Vc é um desses citado por Pedro que cita versos de Paulo, mais convenientes para defender suas idéias,sem harmonizá-los com os outros dizeres de Paulo, como por exemplo : “E assim a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom”( Romanos 7:12). Agindo sessa forma, além de desarmonizar as escrituras sagradas transforma o apóstolo Paulo em um ser paradoxal. Oro por vc. Abraços!!!

Anderson Demoliner disse...

Querido Sr.W

Antes da Lei ser dada ao povo de Israel, era Ela guardada por mais alguém? algum povo antes, durante ou depois?

Vamos precisar guardar a lei quando estivermos no céu?

Abraços fraternais

Anderson Demoliner, barro nas mãos do Oleiro

Sola Scriptura

W. Frank Lorca Bueno disse...

Olá, irmão!!!
No Sinai, a lei que já existia e sempre existiu, apenas foi grafada em pedra pelo próprio Deus.
Antes de mais nada devemos definir o que é pecado. Sim, porque a lei escrita em pedra não serve para outra coisa a não ser nos mostrar o que é pecado.
Vemos em I Jo 3:4 que pecado é INIQUIDADE ou TRANSGRESSÃO DA LEI – do grego ANOMIA – que significa algo contrário à lei, onde “nomos” significa lei e o prefixo “a”, um prefixo de negação.
Rm 7:7 também nos mostra que a função da lei é mostrar o que é pecado. Nessa passagem encontramos, no original grego, varias vezes a palavra “nomos”.
Vejamos algumas passagens que nos mostra que a lei sempre existiu.
Antes do ser humano ser criado, um grande anjo se rebelou e queria ser como Deus – Is 14:12-14. Ele foi banido, ele e seus seguidores, como consequência dessa pretensão – Ap 12:7-9. Se isso foi considerado errado, reprovável, condenável é porque havia uma norma, uma lei que dizia isso. “Não terá outros deuses diante de mim” –Ex 20:3- que é o primeiro mandamento do decálogo.
No Eden, quando Eva comeu a fruta, esse ato só demonstrava o que havia de contrário a lei em seu coração. Satanás incorporado à uma serpente (a propósito, essa foi a primeira sessão mediúnica), tentou a mulher a cometer a mesma transgressão que ele. Ele além de chamar Deus de mentiroso (Deus falou que eles morreriam se comessem, Satanás desse que não morreriam) disse que se ela comesse a fruta ela se tornaria igual a Deus – Gn 3:5. Isso também é algo classificado como errado pois como punição eles foram expulsos do paraíso. Infringiu-se aí também o primeiro mandamento.
Quando Caim matou Abel, essa conduta também foi classificada como errada. Como punição ele foi banido. Se não houvesse uma norma dizendo que matar é errado Caim não poderia ser punido. O apóstolo Paulo nos diz que “onde não há lei não há pecado” – Rm 4:15, 5:13 e 7:8. Ninguém pode ser punido se não houver algo que diga que tal conduta cometida é errada. Mesmo nós, seres humanos falhos, em nossa Constituição Federal(art.5º,XXXIX) e no Código Penal (art.1º) nos diz que “não há crime sem lei anterior que o defina”. Dessa forma Caim infringiu o 6º mandamento.
Leia, por favor, Gn 35:1-4. Aí vemos uma reprovação á infração do 1º mandamento –vs. 2- e do 2º mandamento – vs. 4.
Quando José do Egito fora tentado no adultério pela esposa de Potifar, seu senhor, ele pergunta: como posso “pecar contra Deus?” A que pecado vc acha que José estava se referindo? Ao adultério que é a transgressão do 7º mandamento.
Agora leia, por favor, o cap. 16 de Êxodo. No vs. 4 o Senhor promete que daria o maná, pão do céu, para o Seu povo. A única exigência que Deus fez era que não saíssem para pegá-lo no Sábado, pois nesse dia Ele não mandaria o maná. Digamos assim, que nesse dia a “padaria” do céu estava fexada.
No vs. 28 Deus faz a seguinte pergunta: “Até quando recusareis guardar os meus mandamentos e as minhas leis?” Agora lhe pergunto que leis são essas.
Foi necessário que tais leis fossem grafadas, e ainda por cima grafadas em pedra, para tornar indesculpável sua violação.
A lei sempre existiu. Podemos ver isso em Gn 26:5: “Porquanto Abraão obedeceu à minha voz, e guardou o meu mandado, os meus preceitos, os meus estatutos, e as minhas leis”. Seria muita falta de honestidade para com o texto bíblico pregar que a lei passou a existir só a partir do Sinai.
Sua segunda pergunta foi: “Vamos precisar guardar a lei quando estivermos no céu?”
A lei é eterna pois Deus é eterno. Eterno significa algo que não tem começo nem fim.
No céu e depois aqui na terra renovada não iremos mais praticar idolatria; não iremos mais construir imagens; não usaremos o nome de Deus em vão; iremos guardar o Sábado(Is 66:23); iremos respeitar nossos pai e mãe, se lá estiverem conosco; não iremos matar; não iremos adulterar; não iremos furtar; não iremos levantar falso testemunho(mentir) e não teremos inveja. Então respondendo sua pergunta: sim, nós iremos guardar a lei e será um prazer enorme guardá-la pois não teremos mais essa tendência pecaminosa que hoje temos.
Abraços!!!

José disse...

W. Frank Lorca Bueno, concordo contigo. O Sábado é um dia mais que especial. Além da paz que este dia nos trás, você consegue ser tomado por uma alegria diferente, além de que nos ajuda no controle das nossas ações, isto quando nós queremos, pois tem irmãos que faz do Sábado um dia como outro qualquer e agente vê no que dá.
Só finalizo dizendo isto para nossos irmãos, especialmente este que saiu da IASD: Pai perdoá-lhes pois eles não sabem o que fazem.

Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará.
Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas juiz.
Tiago 4:10-11

Anderson Demoliner disse...

Olá Sr.W!!

Eu sei o que é Lei, pecado e pasme não sou antinomiano!!! Apenas divergimos em certas interpretações Bíblicas.

Você disse: "Vejamos algumas passagens que nos mostra que a lei sempre existiu.
Antes do ser humano ser criado, um grande anjo se rebelou e queria ser como Deus – Is 14:12-14. Ele foi banido, ele e seus seguidores, como consequência dessa pretensão – Ap 12:7-9. Se isso foi considerado errado, reprovável, condenável é porque havia uma norma, uma lei que dizia isso. “Não terá outros deuses diante de mim” –Ex 20:3- que é o primeiro mandamento do decálogo."

Se levarmos por esta linha de pensamento, vamos andar por caminhos que nos levará para longe do tema, como o livre arbítrio x predestinação, problema do mau e etc.

Muitos teólogos falam desta passagem não apontando para satanás e outros falam ao contrário. Dizer que satanás quebrou uma lei como o 1° mandamento é dizer que já havia os outros nove, e por consequência ele também guardava o sábado que seria uma teoria muito estranha, não acha?

Você disse: "No Eden, quando Eva comeu a fruta, esse ato só demonstrava o que havia de contrário a lei em seu coração. Satanás incorporado à uma serpente (a propósito, essa foi a primeira sessão mediúnica), tentou a mulher a cometer a mesma transgressão que ele. Ele além de chamar Deus de mentiroso (Deus falou que eles morreriam se comessem, Satanás desse que não morreriam) disse que se ela comesse a fruta ela se tornaria igual a Deus – Gn 3:5. Isso também é algo classificado como errado pois como punição eles foram expulsos do paraíso. Infringiu-se aí também o primeiro mandamento.

Em Gn 2:16-17 Deus havia dado uma ordem ao casal para não comer do fruto da árvore e não dado leis para eles. Se seguir por esse pensamento de ser a lei no coração do casal, vai entrar em conflito com os escritos de Ellen G. White que dizem que eles guardavam o sábado.

continua...

Abraços

Anderson Demoliner

Anderson Demoliner disse...

Olá Sr. W!!!

Dizer que vamos guardar a Lei no céu é complicado heim?!?!?

Se não haverá pecado no céu, qual a razão de ser da Lei? Se ela mostra o que é o pecado!! Se a Lei é eterna ela existia antes de Deus criar todas as coisas, e seria coeterna com Ele não acha?

Em Cristo,

Anderson Demoliner

Anderson Demoliner disse...

Querido José,

Eu não concordo com você!!! Todos os dias são maravilhosos, cada um tem as suas peculiaridades. Falar assim é dizer que o Criador se mostra mais afável somente no sábado. Deixamos a sabadolatria de lado e vamos ler a Bíblia e buscar a Face do Senhor.

Em Cristo,

Anderson Demoliner

Sola Gratia

Criação x Evolução disse...

Maranatha!

Meu amado Frank, Concordo que a lei é eterna como o próprio Deus, concordo também que o sábado é santo e devemos guarda-lo, mas as escrituras não tornam o sábado uma prerrogativa para salvação. O Apóstolo Paulo em sua carta a comunidade de Èfeso cap 2 diz que somos salvos pela graça, ou você discorda que o sangue de CRISTO não foi suficiente para nos salvar ? A guarda do sábado é um sinal de salvação e não de busca por ser salvo, Submeter a salvação a prerrogativa do sábado é tornar o sacrifício de CRISTO insuficiente, no entanto o sábado só é guardado pelos salvos como prova de salvação e não pela busca da mesma.A lei não pode ser guardada pelos ímpios , não de forma satisfatória, dai a impossibilidade de se buscar a lei pelas obras. Is 64.6


Grande Abraço.

DANIEL MARTINS RODRIGUES

W. Frank Lorca Bueno disse...

Olá, Daniel. Concordo plenamente com o que vc escreveu. A Lei nunca serviu para salvar. Somente a graça pode fazer isso. Mas uma vez salvos nos preocupamos em fazer a vontade de Quem nos salvou, e essa vontade esta expressa nas tábuas de pedra, pelo próprio dedo dele. Abraços e fique com Deus!!!

W. Frank Lorca Bueno disse...

Olá, Anderson. Vc disse : "Dizer que vamos guardar a Lei no céu é complicado heim?!?!?"
Vc não desconfia que Lúcifer e os demais anjos revoltosos só foram expulsos do céu porque pecaram??? Se pecaram transgrediram a Lei, pois pecado é a transgressão da lei. Abraços!!!

Criação x Evolução disse...

Caro Frank, verdadeiramente a sua intenção é ótima, toda via você não entendeu o que eu de fato estou dizendo, a salvação não é pela graça, e sim por meio dela, a graça é o meio e não o fim(Cristo é o fim), o objetivo, outra coisa que precisamos entender é que mesmo estando salvos não podemos nos preocupar em guardar a lei, eu não provo que estou salvo porque guardo a lei mais sim o contrário(Estou salvo e por isso guardo a lei).
Algo importante, É IMPOSSÍVEL O HOMEM(caído) e mesmo REGENERADO guardar a lei, a lei foi feita para o homem em seu estado pré-lapsariano(sem pecado)Rm 2. Ellen Whitte diz que Cristo não veio de maneira nenhuma nos convencer de que nos podemos guardar a lei, mas devido a impossibilidade ELE veio nos substituir.
Digo porém que é IMPOSSÍVEL que algum homem entre no céu sem guardar o decálogo.

Ivo Gomes de Lima disse...

"Digo porém que é IMPOSSÍVEL que algum homem entre no céu sem guardar o decálogo."

Recebestes o Espírito pela prática das obras da lei ou pela pregação da fé? Bem-aventurados os que lavam as suas vestiduras no Sangue do Cordeiro para que...

Postar um comentário

REGRAS AO COMENTAR:

"Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem. Não entristeçam o Espírito Santo de Deus, com o qual vocês foram selados para o dia da redenção. Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade. Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou vocês em Cristo." [Efésios 4:29-32 (NVI)]

1 - Todos os usuários deverão se identificar de alguma forma (nome, apelido ou pseudônimo).

2 - Comentários somente com letras maiúsculas serão recusados.

3 - Comentários ofensivos serão deletados.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Dúvidas entre em contato - helio.juniorjp@gmail.com - "Estejais sempre prontos para responder a todo aquele que pedir a razão da esperança que há em vós" (I Pe. 3.15)

Irmãos