Os pecados de Israel eram extirpáveis, ou não? Jeremias 2:22

PROBLEMA: Jeremias parece dar a entender que nada poderia remover os pecados de Israel: "Pelo que ainda que te laves com salitre, e amontoes potassa, continua a mácula da tua iniqüidade perante mim, diz o Senhor Deus" (Jr 2:22). Entretanto, mais adiante Jeremias muda de idéia e os invoca, dizendo: "Lava o teu coração da malícia, ó Jerusalém, para que sejas salva!" (Jr 4:14). Por que essa diferença?

SOLUÇÃO: A solução parece encontrar-se no fato de que a primeira passagem está falando de uma lavagem apenas externa, que não limpa o coração. Isto é, nenhum ritual externo pode purificar um coração em pecado. Como o profeta disse também, eles precisavam "circuncidar" o coração, não apenas a sua carne (Jr 4:4; cf. Dt 10:16). O que havia de errado neles poderia ser purificado tão-somente por um verdadeiro arrependimento, e não por práticas não autênticas.


MANUAL POPULAR de Dúvidas, Enigmas e "Contradições" da Bíblia - 
Norman Geisler - Thomas Howe.

0 comentários:

Postar um comentário

REGRAS AO COMENTAR:

"Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem. Não entristeçam o Espírito Santo de Deus, com o qual vocês foram selados para o dia da redenção. Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade. Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou vocês em Cristo." [Efésios 4:29-32 (NVI)]

1 - Todos os usuários deverão se identificar de alguma forma (nome, apelido ou pseudônimo).

2 - Comentários somente com letras maiúsculas serão recusados.

3 - Comentários ofensivos serão deletados.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Dúvidas entre em contato - helio.juniorjp@gmail.com - "Estejais sempre prontos para responder a todo aquele que pedir a razão da esperança que há em vós" (I Pe. 3.15)

Irmãos

Arquivo do blog