Como o salmista podia regozijar-se com o pensamento de crianças sendo esmagadas nas rochas? Salmo 137:9

PROBLEMA: Quando o salmista considera o juízo final que virá sobre a Babilônia, aparentemente ele se regozija com o dano causado a bebês. Como podia um homem de Deus alegrar-se com um evento assim tão cruel e trágico?

SOLUÇÃO: O salmista não estava regozijando-se pelas crianças que seriam esmagadas. Antes, ele regozijava-se pela justiça de Deus que por fim retribuiria à crueldade dos babilônios na forma de um castigo justo pelos crimes que tinham cometido. Os babilônios haviam tratado os hebreus e seus filhos com atos de brutalidade equivalentes. Por fim Deus haveria de trazer os medos e os persas para infligir o seu juízo sobre a Babilônia. Nas mãos de Deus, os exércitos dos medos e persas seriam instrumentos de justiça, e os babilônios colheriam o que tinham plantado (Veja os comentários do Salmo 109:1ss).


MANUAL POPULAR de Dúvidas, Enigmas e "Contradições" da Bíblia - 
Norman Geisler - Thomas Howe.

0 comentários:

Postar um comentário

REGRAS AO COMENTAR:

"Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem. Não entristeçam o Espírito Santo de Deus, com o qual vocês foram selados para o dia da redenção. Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade. Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou vocês em Cristo." [Efésios 4:29-32 (NVI)]

1 - Todos os usuários deverão se identificar de alguma forma (nome, apelido ou pseudônimo).

2 - Comentários somente com letras maiúsculas serão recusados.

3 - Comentários ofensivos serão deletados.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Dúvidas entre em contato - helio.juniorjp@gmail.com - "Estejais sempre prontos para responder a todo aquele que pedir a razão da esperança que há em vós" (I Pe. 3.15)

Irmãos

Arquivo do blog